Fotografías por Sean O’Neill

Hair Stylist por Lashawndra Wilson

Lisa Miranda fala sobre a sua coragem de viver a sua vida segundo suas próprias regras.

Como foi a sua viagem para chegar a atriz e modelo profissional?

O meu sonho sempre foi ajudar a contar histórias que inspirem, eduquem e transformem o mundo. Sou uma verdadeira fanática das artes… teatro, música, dança. Perco-me numa boa história, descobri-me através de boas histórias. Quando estou numa exposição num museu de Paris ou Brooklin, onde quer que seja, penso amiúde “uau, este evento histórico, a vida desta pessoa, não dariam histórias magníficas?”

Leio constantemente e adoro ouvir uma boa história e, se for magistralmente contada, vejo-a na mente como um filme. Ser modelo é como fazer uma representação na impressão, é o mais curto dos contos curtos. Maravilha-me que uma imagem brilhantemente fotografada possa ficar connosco para sempre. Fico particularmente comovida com imagens que me expõem a lugares, reais ou imaginários, que nunca explorei.

Sempre soube que a sua vida tomaria este caminho?

Não. Pensei que seria advogada, debati e simulei um julgamento na faculdade enquanto me graduava em filosofia, e saí-me bem. Também trabalhei para juízes e em escritórios de advogados em Nova Iorque. Sou a primeira pessoa da minha família a nascer na América e senti que precisava de uma escolha de carreira tradicional para criar a segurança que desejo para a minha família. Apenas depois de muito tempo a convencer outros a lutarem pelos seus sonhos e de um dia desatar a chorar me permiti ser fiel aos desejos do meu coração. Foi então que fiz as malas e me dirigi a Nova Iorque.

Tem conselhos para quem quiser ser modelo ou ator?

Treine o seu ofício e estude a sua arte; torne-se um perito em tudo a que esta indústria diga respeito. Além disso, aposte no longo prazo, não sabe quando lhe chegará o sucesso, podem passar décadas até ser um ator com trabalho, o êxito pode tardar 10 ou 20 anos. Crie o seu próprio conteúdo, eduque-se e seja paciente. Aquilo que deseja é o seu caminho, independentemente do que for. Ainda penso nisto, antes de audições desafiantes.

Quais são os maiores desafios do seu trabalho?

1. Aceitar que muito está fora do meu controlo. No meu domínio a sorte é tao importante para uma oportunidade quanto a preparação. 2 Tenho um horário louco, posso ter uma semana tremendamente ocupada, voar para qualquer parte do mundo e saber da próxima sessão muito à última da hora. Essa é a minha normalidade, aprendi a reservar o tempo para a minha família e amigos para ter equilíbrio na minha vida. Adoro o meu trabalho e aprender a ser mindful e a estar presente muito me ajudou a apreciar a minha viagem.

Como lida com os contratempos e demais desafios do seu trabalho?

Faço o que posso para ser coerente, trato toda a gente com respeito e sigo em frente. Independentemente do que esteja a acontecer tento não perder de vista um facto importante: eu sou suficiente. Muitas coisas não estão nas minhas mãos, se consigo um trabalho, como este decorre e por aí fora, apenas posso dar o meu melhor e deixar correr. Dou grande valor à minha família e aos meus amigos porque garantem que sou mais do que o meu trabalho.

Se não trabalhasse no entretenimento, que estaria a fazer?

Honestamente, poderia tornar-me agricultora, talvez na ilha da minha família, no Fogo. Toda a vida tive uma dieta baseada em plantas e comer alimentos de qualidade que venham da terra é importante para mim. Ou então juntar-me-ia às monjas budistas que vivem em total mindfulness num mosteiro nas montanhas de algum sítio. São coisas que faço regularmente durante os retiros.

Como descreveria a sua experiencia em Cabo Verde?

Adoro Cabo Verde, é um dos lugares mais especiais que já visitei. Gosto muito de participar, como quer que me seja possível, e no ano passado fui voluntária numa cimeira orientada para fomentar a próxima geração de líderes e empreendedores. Antes de partir organizei uma angariação de fundos em Boston, para ajudar a arranjar dinheiro para o evento. Quando cheguei a Cabo Verde falei sobre o evento na comunicação social, sobre o poder de contar, celebrar, destacar as nossas histórias, convertendo-nos nos arquitetos do nosso futuro. Foi um momento maravilhoso falar nas escolas, toda a viagem foi um lembrete de como os africanos são gente motivada, criativa e resistente.

O que a faz continuar?

Delicia-me fazer com que a minha família se sinta orgulhosa. A tutoria, retribuir, são coisas muito importantes para mim porque muita gente acreditou em mim e continuam a dar-me oportunidades para exercitar os meus talentos e contruir o meu ofício. Sou muito afortunada por poder trabalhar com pessoas talentosas para contar histórias cheias de autenticidade, combinadas com a “magia do filme”. Também adoro ver o mundo, viver a vida nos meus próprios termos e disso nunca abdicarei. Pode ser um desafio, mas agradeço a Deus a minha viagem

E que se segue, para si?

Estou a filmar uma comédia em Nova Iorque este outono. Um filme que protagonizei está a chegar ao circuito de festivais, algo que muito me emociona. Tenho alguns projetos em África, que anunciarei em breve. Pode seguir-me para receber atualizações no meu Instagram Miranda Acts ou na minha página lisa-miranda.com.

Quais são os seus lugares favoritos em Cabo Verde?

Vá ao Fogo, a Chã das Caldeiras, à cratera do vulcão. É diferente de qualquer sítio que conheça e pode também ser muito romântico, especialmente ao por do sol. Recomendo que passe algumas noites na Casa Marisa, a comida é incrível.
Podia passar a vida no Mindelo, em São Vicente, e a cena musical na Praia, Santiago, é fantástica, adoro o funaná!
Não partam sem um banho de sal, na ilha do Sal, ou sem percorrer as praias da Boa Vista em bicicletas de 4 rodas. Coma cozinha local e fique para um dos muitos festivais.